Um roteiro por Dublin

Saímos de Paris em uma quarta-feira à noite, em direção à uma das cidades do nosso roteiro que mais queríamos conhecer: Dublin, a capital da Irlanda, uma das cidades mais procuradas por brasileiros que querem tentar a vida fora, ou fazer intercâmbio. Cidade famosa por suas noites festeiras e sua pluralidade de etnias e culturas, onde todos celebram juntos pelos pubs e bares da cidade.

O Renato já havia morado em Londres, então ele já sabia como funcionava o trânsito, mas eu nunca tinha visto um carro com direção na direita, até pegar o táxi em direção ao nosso destino, encontrado pelo AirBnB. Pagamos o taxista, descemos e começamos a procurar a casa em que iríamos ficar. Abrimos o portão, procuramos a chave no lugar onde a dona da casa avisou que estaria, mas não encontramos nada. Ficamos por ali uma meia hora, sem sinal de internet, ou mesmo telefone para ligar para nossa anfitriã. Éramos eu, o Renato, a rua muito pouco iluminada e os dez gatos da vizinha ao lado.

Foi só então que descobrimos que acertamos o número, mas erramos a rua. Tivemos de voltar algumas quadras e procurar novamente. Resumindo: quase invadimos uma casa em terras irlandesas! Mas por sorte, quando já estávamos na rua certa, encontramos uma moça de bicicleta que por sinal era a nossa anfitriã! Uma croata bem gente boa que vivia na Irlanda com mais dois amigos.

Quem acompanha nossos relatos desde o início, desde que esse blog era tumblr, sabe que nós sempre optávamos pelo tour New Europe, que está presente na maior parte das grandes cidades da Europa (e até mesmo em Israel). Encontramos vaga para o tour no dia seguinte e esse foi o primeiro passeio que fizemos durante a nossa estadia por lá. Esse tour tem duração de três horas e é gratuito (mas não esqueça de dar ao menos uma gorjeta para o guia, que depende delas). Nos outros dias, fizemos os passeios por conta e quando saímos da cidade, fizemos com agências especializadas.

DUBLIN CASTLE

O Castelo de Dublin, na verdade, é mais um forte do que um castelo. Dizem que foi um grande forte construído pelos anglo-normandos e além disso, já foi prisão, já abrigou o tesouro nacional, já foi tribunal de justiça e prédio administrativo inglês, mas somente até 1922, quando a Irlanda conseguiu independência da coroa britânica.

ST. PATRICK’S CATHEDRAL

A famosa Catedral de St. Patrick é considerada a igreja protestante mais antiga da Irlanda. Com arquitetura em estilo gótico, foi construída no ano de 1192 e há quem diga que ela está situada no mesmo local onde St. Patrick batizava seus fiéis, motivo pelos qual leva esse nome. Vale ressaltar que ao longo dos anos ela passou por várias reformas e restaurações.

TRINITY COLLEGE

Fundada pela Rainha Elizabeth I em 1592, é a universidade mais antiga do país e nomes famosos como Bram Stoker e Oscar Wilde já passaram por ali. Não ficamos muito tempo na universidade, nem tivemos tempo para conhecer a famosa biblioteca, a maior do país, o que foi uma pena.

GRAFTON STREET

Bem pertinho do Temple Bar, a Grafton Street é a rua de compras mais famosa de Dublin. A rua também é conhecida pelas várias performances musicais, que acontecem todos os dias, por vários artistas. De tempos em tempos, até mesmo cantores famosos aparecem por ali.

DSC_0040 DSC_0042 DSC_0011

TEMPLE BAR

Considerado um dos pontos mais badalados da capital irlandesa, o Temple Bar é o ponto preferido de quem quer apreciar boas cervejas e cidras, ouvir boa música ou mesmo curtir uma boa noite com os amigos. Fica na margem sul do rio Liffey, no centro de Dublin e até hoje mantém sua estrutura medieval, com suas ruas estreitas e empedradas. O bairro possui cerca de 3 mil habitantes e é o local preferido dos turistas. Nosso lugar preferido da cidade, claro!

Há quem diga que seu nome possa ter sido em homenagem a família Temple que viveu na região no século XVII. Há também quem diga que o nome não foi nada mais do que uma imitação do Temple Bar de Londres. O local acabou perdendo sua popularidade no século XIX e isso foi o que salvou o bairro da mão dos empreiteiros, que destruíram boa parte da arquitetura histórica da cidade na década de 60. O bairro só voltou a ganhar popularidade nos anos 80.

Além de ser um bairro com dezenas de pubs, restaurantes e lojas, o Temple Bar também é considerado um centro cultural da cidade de Dublin, pois abriga instituições como o centros culturais de fotografia, centros culturais infantis, de cinema e musicais.

Fomos ao Temple Bar três dias seguidos. O clima, por todo lugar é de festa. As pessoas sempre felizes, cantando e bebendo juntas, pessoas de todas as idades pelas ruas, gente que acabou de sair do trabalho pra relaxar e tomar uma cerveja, casais de idosos que vão para o bar ouvir música ao vivo e dançar, artistas e bandas de rua surpreendentes, outras pessoas que vão para os bares ver os esportes que estão passando na televisão e gente como nós: turistas, em busca de uma boa experiência e um bom registro.

FÁBRICA DA GUINNESS

Em Dublin é possível conhecer todo o processo pela qual ela passa antes de chegar nos bares e pubs do mundo inteiro. Tiramos uma tarde inteira de sábado para conhecê-la, que é considerada uma das atrações mais famosas da Irlanda.

A fábrica teve sua história iniciada no ano de 1759, quando o cervejeiro Arthur Guinness alugou uma fábrica na cidade de Dublin por 9 mil anos (sim, é isso mesmo), pagando, na época, um aluguel equivalente a R$ 120,00 por ano!!! Desde então, começou a produzir a cerveja que hoje é tão famosa. Hoje, com 300 anos de história, a cerveja ainda leva a mesma fórmula de quando começou: malte irlandês, água de Dublin, lúpulo e levedura. O símbolo da marca, a harpa, só foi adotada pela cervejaria no ano de 1862.

Ela é produzida em 60 países e comercializada em 120 e possui 80% de participação mundial no mercado da cerveja preta. Cerca de 10 mil copos da cerveja são consumidos ao redor do mundo por dia, espalhados por 170 mil pubs e bares, ou seja, anualmente, a fábrica vende cerca de 2,7 bilhões de litros de cerveja.

RIO LIFFEY

Esse é o rio que corta a cidade, separando o lado norte do lado sul. No decorrer dele, há várias pontes que dão um charme especial à paisagem da cidade, como as pontes O’Connell Bridge, Ha’Penny Bridge e Mellows Bridge. Uma boa alternativa é fazer um passeio às margens do rio, para conhecer as pontes e os edifícios próximos ao rio.

DICAS

1. Tire um dia para fazer um passeio até Galway ou Cliffs Of Moher. Nós fizemos os dois passeios em um dia só e recomendamos.

2. Não deixe de passear pela O’Connell Street, a rua mais famosa de Dublin!

3. Caso sua estadia em Dublin seja longa, aproveite pra conhecer Belfast, a capital da Irlanda do Norte. Fica um pouco mais de uma hora de distância, indo de trem.

4. Caso você tenha a sorte de pegar dias de sol, não deixe de conferir os parques da cidade, como o Parque St. Stephen’s Green, próximo à Grafton Street.

5. Se puder, faça uma visita à biblioteca da Trinity College, a maior da Irlanda.

6. Experimente a famosa cidra Bulmers, presente em todos os pubs da cidade. Ela não é a mesma cidra Bulmers vendida no Reino Unido, embora seja da mesma família.

 

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE:

Conheça o Temple Bar: o ponto mais badalado de Dublin

Um tour pela fábrica da Guinness

Cliffs Of Moher: um presente da natureza para o mundo

Conheça Belfast, a cidade irlandesa dividida e marcada por conflitos

Giant’s Causeway: um paraíso na Irlanda do Norte

Destaques,Dicas,Europa,Irlanda Bruna Sturzbecher 02 jul 2015

Deixe seu cometário